Inbound Marketing | O que é?

Inbound Marketing | O que é?

o-que-e-inbound-marketing

Inbound Marketing

Muito se comenta sobre este termo que tem ganhado cada vez mais notoriedade entre os especialistas e profissionais de Marketing no Brasil e no mundo. E a primeira coisa que vem a mente quando alguém tenta explicar, o que é Inbound é o já tradicional Marketing de Conteúdo.

Há pouco mais de uma década, ou melhor. Antes da Web 2.0. A forma mais comum de vender os produtos era a seguinte: A empresa criava a campanha, atraia o prospect, fazia uma oferta e vendia. Com a mudança logo após o ano 2000, onde ficou conhecida de web 2.0. Poucos anos depois as empresas começaram a enxergar a necessidade de produzir conteúdo e um pouco mais tarde, por volta de 2007 começou a se popularizar o termo “Inbound Marketing”

Mudando o modo de fazer publicidade

Aos poucos, as redes sociais e os blog’s foram ganhando espaço e conquistando cada vez mais adeptos. E o volume de informações na web já não era criado exclusivamente pelos grandes portais. Agora, pela primeira vez, pessoas comuns começavam produzir conteúdo. Logo surgiram os blogueiros. E as empresas, que antes investiam apenas no marketing direto. Perceberam que, gerar valor através de conteúdo relevante era um bom investimento.

Perceba que, quando uma empresa investe em publicidade. Assim que a campanha sai do ar, as vendas despencam e logo precisa investir de novo, caso queira continuar vendendo. E nisso o conteúdo já ganha de lavada. Por que, quando uma empresa escreve um artigo, infográfico, ebook, etc. Este conteúdo é indexado pelo Google e outros mecanismos de busca e por isso se perpetua. Fazendo com que aquela empresa seja encontrada pelo cliente ao invés de ter que investir para prospectá-lo. De maneira S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L.

Nos Estados Unidos sugiu o termo “Inbound”.

Aparentemente, com os mesmos aspectos do marketing de conteúdo. Porém, com uma diferença enorme quando visto de uma perspectiva comercial. Um blogueiro, muitas vezes escreve simplesmente para atrair leitores. Sem o intuito de vender nada. Se objetivo é alcançar o máximo de pessoas e trazer tráfego para sua página. Assim pode monetizá-la com banner’s e links de patrocinadores. Da mesma forma, várias empresas que tentam navegar neste segmento, se perdem na hora de produzir o conteúdo. Até produz informações relevantes, satisfaz a necessidade de seus leitores, mas não consegue usar o conteúdo produzido para vender. Isso, nós chamamos de Marketing de Conteúdo. Quando o foco principal é atrair leitores.

A confusão entre os dois termos se dá pelo seguinte motivo. No Inbound, existe o conteúdo, da mesma maneira. Porém, com algumas particularidades. Provavelmente você já ouviu falar em: “Palavras que Vendem”, “WebWriter”, “CopyWriter” “Gatilhos Mentais”. São técnicas que aparecem sutilmente dentro do conteúdo para levar o leitor para uma ação específica. É como um “marketing subliminar”. Acabei de inventar este termo, mas é uma boa forma de ilustrar. Por que, no Inbound. Todo conteúdo tem uma razão, muitas vezes oculta para o leitor.

Os termos citados acima, criaram um profissional, hoje conhecido como: CopyWriter, geralmente é alguém com um conhecimento razoável de gramática, boa concordância e ótimo poder de persuasão. Ou seja, consegue encaixar as “palavras matadoras” no meio do texto, para levar os leitores para a ação desejada.

Outro fator muito interessante, é que no Inbound, não se usa uma única ferramenta, ou canal de divulgação. Hoje, usa-se: Redes Sociais, Conteúdo em Blog’s, Funis (ou Máquina de Vendas), Mecanismos de Buscas e outros. Tendo, entre as redes sociais, papéis altamente relevantes neste cenário as Fanpages (Páginas de fãs do Facebook) e os Canais no Youtube.

O segredo é atrair para vender

Então, para concluir este raciocínio e você nunca mais ter dúvidas sobre o que é Inbound Marketing. Vamos falar das páginas, geralmente usadas. Que são: Squeeze Pages (Páginas de Captura), Landing Pages (Páginas de Vendas), Páginas para Downloads, Páginas para Webnários e outras.

Quando eu digo que a diferença de um para o outro, é que no Inbound, leva-se o usuário para uma ação específica, enquanto no Marketing de Conteúdo. O objetivo principal é atrair leitores. Imagine comigo uma determinada empresa ou profissional liberal usando estas técnicas.

Deve criar uma página no facebook, um canal no youtube, um blog (e otimizar para os mecanismos de busca). Daí pra frente, todo conteúdo postado em qualquer um destes canais tem um único objetivo. Vamos supor que esta empresa tenha um produto ou serviço e criou um funil (sequência automática de emails). A função desta sequência é gerar autoridade para a empresa, despertar desejo pelo produto, matar objeções e no final fazer uma oferta. Todos os emails que forem capturados através da página de captura, caem nesta sequência.

Definindo Inbound Marketing

Agora as coisas começam a fazer sentido. Por que, ao criar um vídeo e postar no youtube. Deve ter na descrição um link, para a página de captura. Além de chamadas para ação no vídeo, incentivando o clique no link. Diariamente deve haver interação no Facebook com os fãs. E entre as postagens, é necessário, direcioná-los para a página de captura, outrora para um artigo no blog e neste artigo. Adivinhe, (tem um link para a página de captura). Sem falar que semanalmente deve produzir conteúdo em texto para o blog. Sempre com um único objetivo. Conversar com os leitores sobre o resultado que o produto, que ele nem sabe que vai ser ofertado pra ele pode proporcionar. E no fim de cada artigo, o que chamamos de “Call to Action” ( Chamada para ação). Um botão ou link, que mande direto para a página de captura.

Percebe como as coisas começam a fazer sentido. No Inbound Marketing, usamos conteúdo para vender. Óbvio que o conteúdo, tem a obrigatoriedade de ser conteúdo rico e de qualidade. Tem que passar confiança para o leitor. É uma propaganda disfarçada. Literalmente terá que entregar o seu melhor. Para conseguir atrair e encantar. Só assim conseguirá levá-los para a sequência de vendas.

Sei que tudo isso parece muito complicado e até certo modo surreal. Mas o fato é que existem ferramentas hoje que nos ajudam. Desde a criação da página de captura, até a automatização da sequência de emails e página de check-out quando o cliente apertar o botão COMPRAR.

Se gostou deste conteúdo e acha que deve implementar no seu negócio, porém não sabe como começar. Logo abaixo deste artigo tem um formulário. Coloque seu email lá. E ganhe uma consultoria totalmente grátis.

inbound-funil

Gatilhos Mentais | Potencializando resultados

Gatilhos Mentais | Potencializando resultados

Aumente seu poder de persuasão

Geralmente os vendedores são reconhecidos por serem bons de papo e terem sempre argumentos para matar objeções. Algumas pessoas até evitam o diálogo com eles temendo serem persuadidas a comprar algo que realmente não estejam interessados. Mas até que ponto os gatilhos mentais podem ser tão eficazes? E como explorá-los para VENDER MUITO MAIS?

Alguns até ousam dizer que tem talento nato, para tal atividade. Outros dizem que para vender tem que ter dom. Até certo ponto isso é verdade, mas preciso que entenda uma coisa. O melhor vendedor é sempre aquele que desenvolveu habilidades com o tempo. Ou seja, aprendeu técnicas e mesmo que inconscientemente aprendeu a usar os gatilhos mentais.

Para entender como são criados, antes precisamos compreender como são formados os pensamentos no nosso cérebro, a partir daí é que teremos a compreensão exata e convicção de que eles realmente funcionam.

Como funciona um computador?

Perceba que nosso cérebro é uma máquina tão complexa que até hoje não foi totalmente desvendado. Em certos momentos com uma atividade cerebral muito intensa, ele produz energia elétrica capaz de acender uma lâmpada de 40W. Milhões de Neurônios e Conexões nervosas levando informações de um lado para o outro, o tempo todo.

Aprendi com o gênio do pensar. Augusto Cury, que nosso cérebro tem um mecanismo que filtra as informações que serão armazenadas. Toda vez que um evento ocorre e chega ao nosso cérebro, em alguns segundos e de forma não percebida por nós. Ele simplesmente faz uma avaliação e decide se vai ou não armazenar aquilo.

Imagine uma reta com um determinado tamanho. E vamos dividir essa reta em pequenos bloquinhos. E vamos chamar estes blocos de “bits”. Isso é um Disco Rígido, num computador funciona assim. Cada caractere ao ser armazenado ocupa um bit de informação. A nossa capacidade de armazenar informações nesse disco depende da quantidade de bits disponíveis. Porém, assim que nosso disco ficar cheio “full”. Temos a opção de apagar os dados que não são mais úteis e reutilizar o mesmo espaço para novo armazenamento. Ou podemos simplesmente plugar um novo gadget (HD) para aumentar a nossa capacidade.

Particularmente, acho incrível como é grande a semelhança entre a forma de guardar informações de um sistema computacional e nosso cérebro. Pois para entender como processamos e armazenamos informação. Este é o exemplo quase que perfeito.

Como funciona o nosso cérebro?

Imagine nosso cérebro com a mesma linha, cheia de “bits” do sistema computacional. Imagine que cada caractere ocupa um bit. Só que agora começam as particularidades. Por exemplo: No Disco Rígido, antes de começar usar nós sabemos a capacidade de armazenamento que ele suporta. Então podemos gerenciar isso. Guardando apenas o que é mais importante pra nós. Outro detalhe importante é: Uma vez armazenada uma informação. Ela jamais será apagada e para finalizar. É impossível fazer upgrade no nosso cérebro. Não temos noção exata de sua capacidade de armazenamento, não podemos reutilizar um espaço já preenchido e nem apagar informações depois que são armazenadas.

Então para finalizar esta parte, compreenda que nosso cérebro, é como um HD (Disco Rígido) porém com algumas particularidades como vimos acima.

Gatilhos Mentais | Como eles surgem na nossa mente!

Agora que já entendemos que nosso cérebro não armazena todos os eventos ocorridos, precisamos ter em mente que. Se armazenássemos tudo que tudo que vimos e vivemos ao longo da vida, estaríamos correndo um sério risco perder a capacidade de armazenar informações. E acredite, isso seria um grave problema.

Através de um fenômeno, conhecido como Auto-fluxo. Desde o ventre da mãe, o bebê vai criando padrões. Recebendo informações e criando comportamentos para cada evento registrado e isso continua durante a infância e adolescência. Por isso que dizem que o caráter de uma pessoa é formado na infância. Exatamente por causa deste fenômeno. Os gatilhos mentais não ficam armazenados no córtex, mas numa parte chamada de cérebro límbico, ou cérebro reptiliano. Por isso não raciocinamos para tomar certas decisões. Já parou pra pensar que o ritual para escovar os dentes é sempre o mesmo. Para entrar no carro, abrir a geladeira. Da mesma forma como em atividades simples criamos padrões. Também agimos sem pensar para várias coisas. Inclusive, COMPRAR.

gatilhos mentais

Numa atitude muito inteligente, nós criamos respostas automáticas para determinados eventos. Isso economiza energia e aumenta a vida do nosso cérebro. Existem uma série de eventos com gatilhos prontos para disparar comportamentos. Isso, você queira ou não. Por exemplo: Imagine que você entra numa loja, olha um determinado produto e percebe que é a última unidade. Então você começa pensar se realmente precisa comprar. E quando menos espera, alguém se aproxima e demonstra interesse naquela mesma última unidade. E responda agora, qual sua atitude? Óbvio que você compra. E não pense que raciocinou para comprar, o que aconteceu foi o disparo de um gatilho. Chamado: Gatilho da Escassez. Ao perceber que havia uma disputa por aquela última unidade, você não pensa duas vezes e compra.

Gatilhos Mentais

Existem diversos gatilhos: Escassez, autoridade, de comunidade, do porquê, reciprocidade, aprovação social, do contraste, de interesses em comum e vários outros.

Todos com a mesma eficácia. E o mais interessante disso tudo, é que você pode tirar proveito deles para aumentar seu poder de persuasão. E para aprofundar neste tema, lhe sugiro como base para conhecer mais profundamente este tema, o livro: As Armas de Persuasão de Robert Cialdini. Best Seller mais apreciado por especialistas de marketing e vendedores de todo o mundo.

Para finalizar nosso bate papo entenda o seguinte. Se quer ter um negócio e precisa convencer pessoas. Acredite, gatilhos mentais é sem dúvidas a ferramenta mais indicada para que domine e use para tal tarefa. O ato de persuadir, vai muito além de enganar, transgredir e extorquir pessoas. Num mercado competitivo há sim a necessidade de usar uma linguagem que seu prospecto entenda e gere empatia. Só assim conseguirá ter sucesso no mundo dos negócios.

Se ainda não começou e pretende em breve construir renda através da internet. Se não sabe por onde começar. Leia o artigo: O que vender na Internet | É possível começar do ZERO? Clicando no link abaixo;

O que vender na Internet | É possível começar do ZERO?

 

 

 

Como Melhorar o Posicionamento do seu Site

Como Melhorar o Posicionamento do seu Site

 

melhorar posicionamento no google

Posicionamento do seu site nos mecanismos de busca.

Mais especificamente de uma técnica conhecida como Link Building ou Back Links. Antigamente os mecanismos de busca tinham uma ferramenta que fazia a varredura nos sites em toda a web para conseguir entregar o conteúdo para os usuários que solicitavam através das buscas.

Esta ferramenta fazia o seguinte. Sempre que um usuário fazia uma busca, por exemplo: “Marketing Digital”. O Robô começava uma varredura em site por site, e saia no código procurando por esta palavra chave. De tal modo que os artigos que mais repetiam aquela expressão eram mais bem posicionados e mostrados para o usuário. Logo isso se tornou um problema, porque começou um verdadeiro SPAM de palavras chave. Tornando o conteúdo pobre e chato pela repetição das palavras. O importante agora, não era entregar conteúdo de qualidade, mas sim, aparecer nos resultados de busca.

Como Melhorar o Posicionamento do seu Site

Foi aí que o Google, na verdade, um de seus fundadores. Lary Page, teve uma grande ideia e criou o Page Rank. A grande sacada deste algoritmo era o seguinte. A partir da agora, não importa mais a quantidade de vezes que o termo é repetido na página, mas sim. O que outros sites estão falando sobre ele. A reputação junto a vizinhança agora é o que determina quem aparece nas primeiras posições.

page-rank

 

Veja que, sempre que outro site na web tem um link apontando para você. Isso é bom, pois aumenta o seu Page Rank e isso melhorou consideravelmente a qualidade dos conteúdos que agora não tinham mais o foco em simplesmente repetir e repetir as palavras chaves para ter um bom posicionamento e começou e revelar o Google para o mundo.

Só que o ser humano sempre dá um jeitinho, e começamos a ter nessa época um sério problema. Por que vários sites começaram a vender links, outros por sua vez, criavam o site da sua empesa. E logo em seguida criavam centenas de sites fakes, somente para ter um link apontando para seu site e o Google começou cair em descrédito até que surgiu um cara chamado Google Panda. Ou melhor outro algoritmo.

Google Panda

O Google Panda veio para acabar com o Spam de Links, pois a partir desse momento o que importa não é apenas a quantidade mas sim a reputação do link que está apontando e começou-se a transferir reputação. Particularmente acredito que isso levou a web para um outro nível. Para você entender, funciona mais ou menos assim. Você acabou de criar um site, e digamos que ele tem um Page Rank 1, eu tenho um site que já tem um Page Rank 5. Quando o meu site cria um link, apontando para o seu é automaticamente transferida a minha relevância para o seu site. Melhorando drasticamente o seu posicionamento e reputação junto ao Google.

Estar nas primeiras posições das páginas de pesquisa dos buscadores é determinante para o crescimento do seu negócio. Por isso é importante entender o processo de indexação e muito cuidado para não sofrer punições. Por exemplo: Da mesma forma que uma boa reputação é transferida para você. Caso um site que use de Spam, ou Black Hat, aponte um link para seu site, você será punido. Então vale o cuidado de sempre monitorar. Dentro do Google Webmaster tem a possibilidade de ver quais links apontam para seu site, e caso perceba que algum link ali não é bem intencionado, ou possa te prejudicar deve ser removido imediatamente.

Conteúdo Duplicado

Outro detalhe que o Google bateu forte em cima foi a geração de conteúdo duplicado. Hoje é rapidamente identificado e punido. Isso derrubou muita gente, pois o cara ia lá, copiava um conteúdo na internet e pelo fato de entender de SEO conseguia indexar rapidamente e aparecer nas pesquisas. Agora todo conteúdo gerado tem que ser relevante e tem que ser único. Não tente nem sequer buscar conteúdos em outros idiomas e traduzir que o robô do Google vai identificar, não irá indexar seu site e ainda será punido.

Quando o assunto é posicionamento nos mecanismos de busca, o que vale mesmo é a paciência. Pois não vai ranquear da noite para o dia, geralmente é um trabalho árduo. A grande vantagem é que estar no topo de forma orgânica faz seu negócio alavancar muito por vários motivos. Um deles é que conseguirá clientes sem ter que comprar cliques, outro detalhe é que a autoridade do seu site cresce junto aos mecanismos de busca e junto aos seus clientes que sempre te veem no topo.

Para saber mais sobre este assunto, leia esse outro artigo que ensina a pôr seu site no topo do google:

Clique aqui: http://goo.gl/fszI1v

Seu Site No Topo do Google

Seu Site No Topo do Google

Aumente suas vendas, melhorando o posicionamento do seu site

Seu Site No Topo do Google

Impossível falar em tráfego sem falar em posicionamento do seu site nos buscadores, assim como é impossível falar de mecanismos de busca sem mencionar o gigante deste mercado. Como então ter seu site no topo do google. E acredite isso fará toda a diferença para seu negócio. Não importa se sua intenção é apenas gerar conteúdo ou literalmente vender seus produtos ou serviços. Ter uma presença online é o ponto de partida para seu negócio ganhar escala.

A notícia ruim aqui é que não só você quer seu site no topo do google, mas seus concorrentes também. E pior ainda, é que talvez eles já estejam lá. Nesse caso já começa em desvantagem, mas acalme-se nada está perdido. Irei te mostrar de uma maneira bem simplória o que é necessário para ter seu site bem posicionado e gerar visitas sem ter que comprar tráfego ou alugar espaços para ter banner’s divulgando seu negócio.

Primeira coisa, tenha em mente o seguinte. Existem vários profissionais nessa área. O primeiro deles é o Programador, ou simplesmente Web Design, o cara que fez o seu site ou sistema. E existe outro profissional que em 99% dos casos não é a mesma pessoa, que é o Analista SEO. É este cara que vai colocar seu site no topo do Google. Vale lembrar aqui que são funções diferentes e na hora que tiver negociando a construção da suas páginas deve levar isso em consideração e acredite. Contrate dois profissionais, primeiro um e depois o outro.

Fato que o desenvolvedor vai lhe dizer que isso é muito simples e que sim, seu site estará bem posicionado. Mas reitero aqui, que em 99% dos casos, o desenvolvedor não entende literalmente nada de presença online. E não porque ele é irresponsável, mas porque são duas profissões diferentes. Porém muito parecidas. Só que ele não vai te falar isso, por vários motivos. O primeiro deles é que se ele falar que não sabe como posicionar seu site no google, é fato que irá desistir do serviço e buscar outro profissional. Como ele não tem um meio termo, ou seja, uma maneira de dizer que SEO – Search Engine Optimization ou simplesmente (Otimização para mecanismos de busca) Não é uma coisa tão simples quanto parece. Ele acaba pormenorizando o serviço e não entregando o que de fato deveria ser feito.

Visto que o correto seria ele informar que após o trabalho que ele fez. Deveria ser contratado um Analista de SEO para ver a presença online e começar o trabalho de posicionamento e indexação nos mecanismos de busca. Trabalho este que geralmente é de longo prazo, pois exige geração de conteúdo, adequação a uma série de normas e paciência. A parte boa disso tudo é que o tráfego gerado organicamente é muito mais qualificado do que os prospectos vindos de campanhas.

Se seu site já está no ar, porém a quantidade de visitas orgânicas é baixa entenda que o primeiro passo é uma análise de presença online. A partir daí é que traçamos métricas para ver o que tem que ser feito. Muito cuidado com Spam, Conteúdos copiados de outros sites, Técnicas Black Hat. Essas coisas destroem sua reputação junto aos buscadores e acaba literalmente com seu negócio. Lembre-se sempre, é impossível trapacear. Não tente passar a perna no Google, ou pagará um preço muito alto. Por isso é importante alguém que tem conhecimento fazer essa análise para adequar seu site as regras exigidas pelos buscadores e assim aproveitar melhor o tráfego potencial que seu serviço pode alcançar.

O Analista de SEO tem como principal objetivo gerar visitas para seu site e é preparado pra isso. Mas com o passar do tempo e crescimento deste mercado vem surgindo um outro profissional que também tem o objetivo de gerar visitas. Porém o foco não é este. Conhecido como Analista de Vendas Online. Este profissional tem a missão de gerar tráfego, porém o foco é a venda. Afinal, mais importante do que visitas no seu site, é converter os visitantes e compradores e isso não é feito de forma natural. Ou mesmo que grande parte de seus clientes comprem. Existem métodos para melhor isso, aumentar a taxa de conversão além de gerar um tráfego especialmente atraído para comprar. Ao invés de simplesmente visitar sua página e nunca mais voltar.

Se ficou interessado em aumentar as vendas através do seu site. Veja abaixo o que preparamos para você. Mas por tempo limitado.

⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓⇓

ANÁLISE DE PRESENÇA ONLINE GRÁTIS – CLIQUE AQUI

 

 

 

 

Gerar Valor é Mais Importante do que Gerar Lucro

Gerar Valor é Mais Importante do que Gerar Lucro

Gerar Valor é Mais Importante do que Gerar Lucro

Gerar Valor é Mais Importante do que Gerar Lucro

Na hora de iniciar um negócio é muito importante um conhecimento prévio sobre o modelo a ser implementado. Seja através de experiência anterior, cursos de aperfeiçoamento, consultoria, não importa. Mas tenha em mente que sem conhecer a sua praça e a demanda existente para seu negócio é inviável iniciar a atividade.

Após isso, o que resta é a mão na massa. Ou seja, fazer acontecer e começar a gerar os primeiros resultados. Porém muito importante ter em mente que o lucro que seu negócio gera não é a coisa mais importante a ser estudada. Gerar lucro é muito bom, saber que sua receita foi maior que suas despesas te deixa numa situação confortável e otimista. E isso é muito bom. Mas quero que entenda que tem alguns fatores que devem ser levados em conta na hora de criar seu plano de ação.

Tenha sempre em mente a seguinte frase: “Gerar valor primeiro”. Isso tem um poder tremendo. Enquanto praticamente todos estão preocupados com lucro. São aqueles que entendem a necessidade de gerar valor que mais crescem e perpetuam no mercado. Isso parece besteira mas logo irá perceber que não é. Seu negócio precisa ter alguns pontos avaliados antes de pôr suas energias ali. Exemplo: Praça, Demanda e Escala. Na minha opinião são fatores que nunca devem ser desprezados. Pois a falta de informações a respeito destes itens irão definir até onde seu negócio irá.

Após avaliar Praça e Demanda e chegar a conclusão que é viável investir energia e dinheiro, vamos para o ponto que julgo mais importante. Escala, até onde seu negócio é escalável, perceba que isso está diretamente ligado a valor. Quanto maior o poder de escalar, mais pessoas serão alcançadas, maior impacto social seu negócio pode causar. Então se pensar junto comigo, chegaremos nós dois a conclusão que não vale a pena investir num negócio se ele não tem poder de escala.

Lucro é muito bom, concordo plenamente, mas chega um ponto que, se não tem escala, ele para de crescer e nesse ponto, seus esforços com ações para vender começam a ser mais árduos. O trabalho mais oneroso e seu ROI começa diminuir drasticamente e como você sempre esteve preocupado com o lucro, “óbvio que ele é a coisa mais importante do seu negócio”. Começa bater o desespero, pois todos os seus esforços para trazer novos clientes não geram os mesmos resultados que no início. E bate a dúvida; “O que estou fazendo de errado”?

Se você já passou por isso e não chegou a resposta para essa pergunta, vamos juntos analisar:

Perceba que suas ações precisam de mais atenção, por que seu serviço deixou de ser novidade no mercado. A recorrência é que faz a diferença num modelo onde a praça é pequena e a demanda constante. Mercado competitivo e agora suas ações não geram os mesmo resultados, diminuindo seu lucro e reduzindo o valor do seu negócio. Mas como mudar isso!

Muito simples. Seu negócio precisa ter escala e precisa pensar mais em valor do que no lucro. A Amazon, uma gigante mundial, que atua em todo o mundo vale no final de 2015 mais de 200 bi, Duzentos bilhões de dólares. Mas o que pouca gente sabe é que a Amazon não dá lucro. Se assustou agora né. Mas é exatamente isso, a única vez que a Amazon deu lucro, seus administradores fizeram uma reunião com os investidores e tiveram que pedir desculpas. E se você ainda não entendeu a razão do pedido de desculpas. Perceba que, se sobrou dinheiro em caixa. Esse capital poderia ter sido investido para gerar mais valor para a marca.

Claro que isso é uma situação atípica e muito bem planejada. E não estou aqui sugerindo que invista todo seu lucro em geração de valor. Mas no momento que seu foco for valor, isso fatalmente aumentará seus lucros e nunca acontecerá aquilo que vimos lá atrás. De ver seu ROI (Retorno sobre Investimento em Campanhas) diminuir drasticamente com o passar do tempo. Outro exemplo é o Instagran. Vendido por mais de 1 Bi, Um bilhão de dólares num momento delicado da empresa. Zero de lucros. É isso mesmo, uma empresa com pouquíssimos funcionários que não tinha lucro nenhum vendida por uma fortuna. Tudo isso porque soube desde seu nascimento. Gerar valor.

O que tem feito para aumentar o valor da sua marca?

Já avaliou o poder de escalabilidade do seu negócio? E a recorrência, não menos importante que os outros três fatores avaliados. Perceba que tão importante quanto vender, é vender de novo para o mesmo cliente. Então imagine se ao invés de fazer uma única venda. Transformar seu negócio num plano, onde consiga fazer uma venda recorrente. Um pacote onde seu cliente pague por mês, num contrato de 6 meses, 1 ano. Sei lá, mas o fato mais importante é que isso funciona. Talvez não para o seu modelo atual. Mas estou dizendo é que a recorrência é um dos segredos do sucesso de uma empresa.

 

Saiba como usar corretamente o planejador de palavras chave do google.

Saiba como usar corretamente o planejador de palavras chave do google.

Muitas vezes temos essa sensação. Que ninguém vê o nosso conteúdo e fica a seguinte pergunta: Será que alguém procura pelo serviço que ofereço?

Saber a demanda é fundamental para elaborar um plano de ação e projetar resultados para o seu negócio, o problema todo começa quando trabalhamos no escuro, ou seja. Um dia após o outro e muitas vezes esperamos vir a decepção para perceber que já deveria ter abortado o projeto. Veja rapidamente como usar o Planejador de Palavras Chave. Imagina comigo, se existisse uma ferramenta, onde você consiga saber exatamente quantas pessoas procuram pelo serviço que você oferece. É fato que se sentiria muito mais confortável para elaborar campanhas, traçar metas e investir seu precioso tempo e dedicação. Óbvio que se a consulta na ferramenta mostrasse que seu serviço tem uma demanda latente, ou no mínimo constante.

Uma das grandes vantagens de ter seu negócio na internet é exatamente essa. Tudo aqui é mensurável, é possível medir literalmente tudo que você imaginar. E voltando ao questionamento do nosso post, a resposta é: “sim”. Existe uma ferramenta aonde o usuário consulta por palavras chave, e sabe exatamente quantas vezes alguém procurou por aquele termo no google. Isso é fantástico para quem está procurando um nicho para atuar e quer sair do achismo. Com essa ferramenta, em poucos minutos saberá se tem ou não demanda para o produto.

O melhor de tudo é que essa ferramenta é gratuita, bastando ter uma conta no google para poder utilizá-la.

No vídeo abaixo, explano passo a passo como utilizar veja: